top of page

Os quatro quadrantes do conformismo

Tradução autorizada para português brasileiro do texto The four quadrants of conformism de Paul Graham, cofundador da Y Combinator - uma das mais bem sucedidas aceleradoras de empresas de base tecnológica no mundo


Uma das formas mais reveladoras de classificar as pessoas é pelo grau e agressividade de seu conformismo. Imagine um sistema de coordenadas cartesianas cujo eixo horizontal vai do pensamento convencional à esquerda ao pensamento independente à direita, e cujo eixo vertical vai do passivo na parte inferior ao agressivo no topo. Os quatro quadrantes resultantes definem quatro tipos de pessoas. Começando no canto superior esquerdo e indo no sentido anti-horário: mentalidade agressivamente convencional, mentalidade passivamente convencional, mentalidade passivamente independente e mentalidade agressivamente independente.

Acho que você encontrará todos os quatro tipos na maioria das sociedades, e o quadrante em que as pessoas se enquadram depende mais de sua própria personalidade do que das crenças predominantes em sua sociedade. [ 1 ]

As crianças pequenas oferecem algumas das melhores evidências para ambos os pontos. Qualquer um que tenha frequentado a escola primária já viu os quatro tipos, e o fato de as regras da escola serem tão arbitrárias é uma forte evidência de que o quadrante em que as pessoas se enquadram depende mais delas do que das regras.

Os garotos do quadrante superior esquerdo, os de mentalidade agressivamente convencional, são os fofoqueiros. Eles acreditam não apenas que as regras devem ser obedecidas, mas que aqueles que as desobedecem devem ser punidos.

As crianças no quadrante inferior esquerdo, as de mentalidade passivamente convencional, são as ovelhas. Eles têm o cuidado de obedecer às regras, mas quando outras crianças as quebram, seu impulso é se preocupar que essas crianças sejam punidas, não se assegurar que o sejam.

As crianças no quadrante inferior direito, de mentalidade passivamente independente, são as sonhadoras. Eles não se importam muito com as regras e provavelmente não têm 100% de certeza de quais são as regras.

E as crianças no quadrante superior direito, as agressivamente independentes, são as travessas. Quando veem uma regra, seu primeiro impulso é questioná-la. Simplesmente receber ordens sobre o que fazer os torna inclinados a fazer o oposto.

Ao medir o conformismo, é claro, você tem que dizer com relação a quê, e isso muda à medida que as crianças crescem. Para as crianças mais novas, são as regras estabelecidas pelos adultos. Mas à medida que as crianças crescem, a fonte das regras passa a ser seus pares. Portanto, um bando de adolescentes que desrespeitam as regras da escola da mesma maneira não tem uma mente independente; antes o contrário.

Na idade adulta, podemos reconhecer os quatro tipos por seus cantos distintos, assim como você pode reconhecer quatro espécies de pássaros. A chamada da mente convencional agressiva é "Esmague <grupo externo>!" (É bastante alarmante ver um ponto de exclamação depois de uma variável, mas esse é todo o problema com a mentalidade agressivamente convencional.) A pergunta da mentalidade passivamente convencional é "O que os vizinhos vão pensar?" O chamado da mente passivamente independente é "Cada um na sua". E o chamado da mente agressivamente independente é "Eppur si muove" [E ainda se move].

Os quatro tipos não são igualmente comuns. Existem mais pessoas passivas do que agressivas, e muito mais pessoas de mentalidade convencional do que independentes. Portanto, os de mentalidade passivamente convencional são o maior grupo, e os de mentalidade agressivamente independente, o menor. 

Como o quadrante de uma pessoa depende mais da personalidade do que da natureza das regras, a maioria das pessoas ocuparia o mesmo quadrante mesmo se tivesse crescido em uma sociedade bem diferente.

O professor de Princeton, Robert George, escreveu recentemente:

Às vezes, pergunto aos alunos qual seria sua posição sobre a escravidão se eles fossem brancos e morassem no Sul antes da abolição. Adivinha? Todos eles teriam sido abolicionistas! Todos eles teriam falado bravamente contra a escravidão e trabalhado incansavelmente contra ela.

Ele é educado demais para dizer isso, mas é claro que não. E, de fato, nossa suposição padrão não deveria ser apenas que seus alunos teriam, em média, se comportado da mesma maneira que as pessoas se comportavam na época, mas que aqueles que têm uma mentalidade agressivamente convencional hoje também teriam uma mentalidade agressivamente convencional naquela época. Em outras palavras, eles não apenas não teriam lutado contra a escravidão, mas estariam entre seus mais ferrenhos defensores.

Sou tendencioso, admito, mas me parece que pessoas agressivamente convencionais são responsáveis por uma quantidade desproporcional de problemas no mundo, e que muitos dos costumes que desenvolvemos desde o Iluminismo foram projetados para proteger o resto de nós deles. Em particular, a retirada do conceito de heresia e sua substituição pelo princípio de debater livremente todo tipo de ideias diferentes, mesmo aquelas que atualmente são consideradas inaceitáveis, sem qualquer punição para aqueles que as experimentam para ver se funcionam. [ 2 ]

 

Mas por que os de mente independente precisam ser protegidos? Porque eles têm todas as novas ideias. Para ser um cientista de sucesso, por exemplo, não basta apenas estar certo. Você tem que estar certo quando todo mundo está errado. Pessoas de mente convencional não podem fazer isso. Por razões semelhantes, todos os CEOs de startups bem-sucedidas não são apenas independentes, mas também agressivas. Portanto, não é coincidência que as sociedades prosperem apenas na medida em que têm costumes para manter afastados os de mentalidade convencional. [ 3 ]

Nos últimos anos, muitos de nós notamos que os costumes que protegem a livre investigação foram enfraquecidos. Alguns dizem que estamos exagerando - que eles não foram muito enfraquecidos ou que foram enfraquecidos a serviço de um bem maior. Este último eu vou descartar imediatamente. Quando a mentalidade convencional leva vantagem, eles sempre dizem que está a serviço de um bem maior. Apenas acontece de ser um bem maior diferente e incompatível a cada vez.

Quanto à primeira preocupação, que as pessoas de mente independente estão sendo hipersensíveis e que a livre investigação não foi tão prejudicada, você não pode julgar isso a menos que você mesmo tenha uma mente independente. Você não pode saber quanto espaço de ideias está sendo cortado a menos que você as tenha, e apenas os de mente independente têm as que estão nas bordas. Precisamente por isso, eles tendem a ser muito sensíveis a mudanças na liberdade de explorar ideias. Eles são os canários nesta mina de carvão.

Os convencionais dizem, como sempre fazem, que não querem encerrar a discussão de todas as ideias, apenas das ruins.

Você pensaria que seria óbvio apenas com essa frase que jogo perigoso eles estão jogando. Mas vou soletrar. Há duas razões pelas quais precisamos ser capazes de discutir até mesmo ideias "ruins".

A primeira é que qualquer processo para decidir quais ideias banir está fadado a cometer erros. Ainda mais porque ninguém inteligente quer fazer esse tipo de trabalho, então acaba sendo feito pelos estúpidos. E quando um processo comete muitos erros, você precisa deixar uma margem de erro. O que, neste caso, significa que você precisa banir menos ideias do que gostaria. Mas isso é difícil para os agressivamente convencionais, em parte porque gostam de ver as pessoas punidas, como fazem desde crianças, e em parte porque competem uns com os outros. Os executores da ortodoxia não podem permitir a existência de uma ideia limítrofe, porque isso dá a outros executores a oportunidade de superá-los no departamento de pureza moral e talvez até mesmo de se voltar contra eles. Então, ao invés de obter a margem de erro de que precisamos, obtemos o oposto: uma corrida para o fundo em que qualquer ideia que pareça banível acaba sendo banida. [ 4 ] 

A segunda razão pela qual é perigoso proibir a discussão de ideias é que as ideias estão mais relacionadas do que parecem. O que significa que se você restringir a discussão de alguns tópicos, isso não afetará apenas esses tópicos. As restrições se propagam de volta para qualquer tópico que produza implicações nos proibidos. E isso não é um caso extremo. As melhores ideias fazem exatamente isso: têm consequências em campos muito distantes de suas origens. Ter ideias em um mundo onde algumas ideias são proibidas é como jogar futebol em um campo que tem um campo minado em um canto. Você não joga apenas o mesmo jogo que faria, mas em um campo de forma diferente. Você joga um jogo muito mais moderado, mesmo no chão que é seguro.

No passado, a forma como os independentes se protegiam era se reunir em um punhado de lugares - primeiro nos tribunais e depois nas universidades - onde podiam, até certo ponto, fazer suas próprias regras. Locais onde as pessoas trabalham com ideias tendem a ter costumes que protegem a livre investigação, pela mesma razão que as fábricas de wafer têm filtros de ar poderosos, ou os estúdios de gravação têm bom isolamento acústico. Nos últimos dois séculos, pelo menos, quando a mentalidade agressivamente convencional estava furiosa por qualquer motivo, as universidades eram os lugares mais seguros para se estar.

Isso pode não funcionar desta vez, devido ao fato lamentável de que a última onda de intolerância começou nas universidades. Começou em meados da década de 1980 e, em 2000, parecia ter diminuído, mas recentemente ressurgiu com a chegada das mídias sociais. Isso parece, infelizmente, ter sido um gol contra do Vale do Silício. Embora as pessoas que dirigem o Vale do Silício sejam quase todas de mentalidade independente, elas entregaram à mentalidade agressivamente convencional uma ferramenta com a qual eles só poderiam ter sonhado.

Por outro lado, talvez o declínio do espírito de livre investigação dentro das universidades seja tanto o sintoma da partida da mentalidade independente quanto a causa. Pessoas que teriam se tornado professores há 50 anos têm outras opções agora. Agora eles podem se tornar quants [analistas de investimento que usam modelos estatísticos avançados para encontrar oportunidades] ou iniciar startups. Você tem que ter uma mente independente para ter sucesso em qualquer um deles. Se essas pessoas fossem professores, teriam resistido mais duramente em nome da liberdade acadêmica. Portanto, talvez a imagem das universidades em declínio da mentalidade independente seja muito sombria. Talvez as universidades estejam declinando porque muitas pessoas com mentalidade independente já tenham saído. [ 5 ]

Embora eu tenha passado muito tempo pensando sobre essa situação, não posso prever como ela se desenrolará. Algumas universidades poderiam reverter a tendência atual e continuar sendo lugares onde os independentes querem se reunir? Ou os de mente independente os abandonarão gradualmente? Eu me preocupo muito com o que podemos perder se isso acontecer.

Mas estou esperançoso a longo prazo. Os independentes são bons em se proteger. Se as instituições existentes forem comprometidas, elas criarão novas. Isso pode exigir alguma imaginação. Mas a imaginação é, afinal, sua especialidade.

 

Notas

[1] Eu percebo, é claro, que se as personalidades das pessoas variam de duas maneiras quaisquer, você pode usá-las como eixos e chamar os quatro quadrantes resultantes de tipos de personalidade. Então, o que estou realmente afirmando é que os eixos são ortogonais e que há uma variação significativa em ambos. 


[2] Os agressivos de mente convencional não são responsáveis por todos os problemas do mundo. Outra grande fonte de problemas é o tipo de líder carismático que ganha poder apelando para eles. Eles se tornam muito mais perigosos quando tais líderes surgem.


[3] Nunca me preocupei em escrever coisas que ofendessem as mentes convencionais quando estava executando o Y Combinator. Se a YC fosse uma empresa de biscoitos, eu teria enfrentado uma difícil escolha moral. Pessoas de mentalidade convencional também comem biscoitos. Mas eles não iniciam startups de sucesso. Portanto, se eu os dissuadisse de se candidatar ao YC, o único efeito seria nos poupar trabalho lendo as inscrições.


[4] Houve progresso em uma área: as punições por falar sobre ideias proibidas são menos severas do que no passado. Há pouco perigo de ser morto, pelo menos nos países mais ricos. Os de mentalidade agressivamente convencional ficam satisfeitos em fazer com que as pessoas sejam demitidas.


[5] Muitos professores são independentes - especialmente em matemática, ciências exatas e engenharia, onde você precisa ser bem-sucedido. Mas os alunos são mais representativos da população em geral e, portanto, têm uma mentalidade mais convencional. Então, quando professores e alunos estão em conflito, não é apenas um conflito entre gerações, mas também entre diferentes tipos de pessoas.

 

Obrigado a Sam Altman, Trevor Blackwell, Nicholas Christakis, Patrick Collison, Sam Gichuru, Jessica Livingston, Patrick McKenzie, Geoff Ralston e Harj Taggar por ler os rascunhos deste.


Posts Relacionados

Ver tudo

Startups em 13 frases

Tradução autorizada para português brasileiro do texto Startups in 13 sentences de Paul Graham, cofundador da Y Combinator - uma das mais bem sucedidas aceleradoras de empresas de base tecnológica no

Como ser um investidor anjo

Tradução feita por Silvia Takey, autorizada para português brasileiro do texto How to be an angel investor de Paul Graham, cofundador da Y Combinator - uma das mais bem sucedidas aceleradoras de empre

Como trabalhar duro

Tradução por Silvia Takey, autorizada para português brasileiro do texto How to work hard de Paul Graham, cofundador da Y Combinator - uma das mais bem sucedidas aceleradoras de empresas de base tecno

Comments


bottom of page