top of page

Como trabalhar duro

Tradução por Silvia Takey, autorizada para português brasileiro do texto How to work hard de Paul Graham, cofundador da Y Combinator - uma das mais bem sucedidas aceleradoras de empresas de base tecnológica no mundo.


Pode parecer que não há muito o que aprender sobre como trabalhar duro. Quem já foi à escola sabe o que isso implica, mesmo que tenha optado por não fazê-lo. Há crianças de 12 anos que trabalham incrivelmente duro. No entanto, quando pergunto se sei mais sobre trabalhar duro agora do que quando estava na escola, a resposta é definitivamente sim.


Uma coisa que sei é que se você quiser fazer grandes coisas, terá que trabalhar muito. Eu não tinha certeza disso quando criança. Os trabalhos escolares variavam em dificuldade; nem sempre é preciso trabalhar muito para se sair bem. E algumas das coisas que os adultos famosos faziam, pareciam fazer quase sem esforço. Haveria, talvez, alguma maneira de escapar do trabalho árduo por puro brilhantismo? Agora eu sei a resposta para essa pergunta. Não há.


A razão pela qual algumas matérias pareciam fáceis era que minha escola tinha padrões baixos. E a razão pela qual adultos famosos pareciam fazer as coisas sem esforço eram anos de prática; eles fizeram parecer fácil.


Claro, esses adultos famosos geralmente tinham muita habilidade natural também. Existem três ingredientes em um grande trabalho: habilidade natural, prática e esforço. Você pode se sair muito bem com apenas dois, mas para fazer o melhor trabalho você precisa de todos os três: você precisa de grande habilidade natural e ter praticado muito e estar se esforçando muito. [ 1 ]


Bill Gates, por exemplo, estava entre as pessoas mais inteligentes nos negócios de sua época, mas também entre os que mais trabalhavam. "Eu nunca tirei um dia de folga nos meus vinte anos", disse ele. "Nenhum." Foi o que aconteceu com Lionel Messi. Ele tinha uma grande habilidade natural, mas quando seus treinadores de juniores falam dele, o que eles lembram não é seu talento, mas sua dedicação e seu desejo de vencer. PG Wodehouse provavelmente receberia meu voto de melhor escritor inglês do século 20, se eu tivesse que escolher. Certamente ninguém nunca fez isso parecer mais fácil. Mas ninguém nunca trabalhou mais. Aos 74 anos, ele escreveu

a cada novo livro meu tenho, como digo, a sensação de que desta vez colhi um limão no jardim da literatura. Uma coisa boa, realmente, eu suponho. Mantém a pessoa na ponta dos pés e a faz reescrever cada frase dez vezes. Ou, em muitos casos, vinte vezes.

Parece um pouco extremo, você pensa. E, no entanto, Bill Gates soa ainda mais extremo. Nem um dia de folga em dez anos? Esses dois tinham tanta habilidade natural quanto qualquer um poderia ter, e ainda assim eles também trabalharam tão duro quanto qualquer um poderia trabalhar. Você precisa de ambos.


Isso parece tão óbvio, mas na prática achamos um pouco difícil de entender. Há uma tênue distinção entre talento e trabalho duro. Vem em parte da cultura popular, onde parece ser muito profundo, e em parte do fato de que os outliers são tão raros. Se grande talento e grande impulso são raros, então pessoas com ambos são raras ao quadrado. A maioria das pessoas que você conhece que tem muito de um terá menos do outro. Mas você precisará de ambos se quiser ser um outlier. E como você realmente não pode mudar quanto talento natural você tem, na prática, fazer um ótimo trabalho, na medida do possível, reduz-se a trabalhar muito.


É fácil trabalhar duro se você tiver metas claramente definidas e impostas externamente, como faz na escola. Existe alguma técnica nisso: você tem que aprender a não mentir para si mesmo, não procrastinar (que é uma forma de mentir para si mesmo), não se distrair e não desistir quando as coisas dão errado. Mas esse nível de disciplina parece estar ao alcance de crianças bem pequenas, se elas quiserem.


O que aprendi desde criança é como trabalhar em direção a metas que não são claramente definidas nem impostas externamente. Você provavelmente terá que aprender ambos se quiser fazer coisas realmente boas.


O nível mais básico é simplesmente sentir que você deveria estar trabalhando sem que ninguém lhe diga. Agora, quando não estou trabalhando duro, os alarmes disparam. Não posso ter certeza de que estou chegando a algum lugar quando estou trabalhando duro, mas posso ter certeza de que não estou chegando a lugar nenhum quando não estou, e é horrível. [ 2 ]


Não houve um único ponto quando eu aprendi isso. Como a maioria das crianças, eu gostava da sensação de realização quando aprendia ou fazia algo novo. À medida que envelheci, isso se transformou em um sentimento de desgosto quando não estava conseguindo nada. O único marco precisamente datável que tenho é quando parei de assistir TV, aos 13 anos.


Várias pessoas com quem conversei lembram-se de levar a sério o trabalho nessa idade. Quando perguntei a Patrick Collison quando ele começou a achar desagradável a ociosidade, ele disse

Acho que por volta dos 13 ou 14 anos. Tenho uma lembrança clara de estar sentado na sala de estar, olhando para fora e me perguntando por que estava desperdiçando minhas férias de verão.

Talvez algo mude na adolescência. Isso faria sentido.


Estranhamente, o maior obstáculo para levar o trabalho a sério era provavelmente a escola, que fazia o trabalho (o que eles chamavam de trabalho) parecer chato e sem sentido. Tive de aprender o que era o verdadeiro trabalho antes de poder desejá-lo de todo o coração. Demorou um pouco, porque mesmo na faculdade muito do trabalho é inútil; existem departamentos inteiros que são inúteis. Mas quando aprendi a forma do trabalho real, descobri que meu desejo de fazê-lo se encaixava nele como se tivessem sido feitos um para o outro.


Suspeito que a maioria das pessoas tenha que aprender o que é trabalho antes de amá-lo. Hardy escreveu eloquentemente sobre isso em A Mathematician's Apology:

Não me lembro de ter sentido, quando menino, qualquer paixão pela matemática, e as noções que possa ter tido sobre a carreira de matemático estavam longe de ser nobres. Eu pensava na matemática em termos de exames e bolsas de estudo: queria vencer os outros meninos, e essa parecia ser a maneira mais decisiva de fazê-lo.

Ele não aprendeu o que realmente era a matemática até a metade da faculdade, quando leu o Cours d'analyse de Jordan .

Jamais esquecerei o espanto com que li aquela notável obra, a primeira inspiração para tantos matemáticos de minha geração, e aprendi pela primeira vez ao lê-la o que a matemática realmente significava.

Existem dois tipos separados de falsidade que você precisa aprender a descontar para entender o que é trabalho real. Um é o tipo que Hardy encontrou na escola. Os assuntos ficam distorcidos quando são adaptados para serem ensinados às crianças - muitas vezes tão distorcidos que não são nada parecidos com o trabalho feito por profissionais reais. [ 3 ] O outro tipo de falsidade é intrínseco a certos tipos de trabalho. Alguns tipos de trabalho são inerentemente falsos ou, na melhor das hipóteses, mero trabalho ocupado.


Há uma espécie de solidez no trabalho real. Nem tudo é escrever os Principia, mas tudo parece necessário. Esse é um critério vago, mas é deliberadamente vago, porque tem que abranger muitos tipos diferentes. [ 4 ]


Depois de conhecer a forma do trabalho real, você precisa aprender quantas horas por dia deve gastar nele. Você não pode resolver esse problema simplesmente trabalhando todas as horas em que está acordado, porque em muitos tipos de trabalho existe um ponto além do qual a qualidade do resultado começa a declinar.


Esse limite varia de acordo com o tipo de trabalho e a pessoa. Já fiz vários tipos diferentes de trabalho e os limites eram diferentes para cada um. Meu limite para os tipos mais difíceis de escrita ou programação é de cerca de cinco horas por dia. Considerando que, quando eu dirigia uma startup, podia trabalhar o tempo todo. Pelo menos durante os três anos em que o fiz; se eu tivesse continuado por muito mais tempo, provavelmente precisaria tirar férias ocasionais. [ 5 ]


A única maneira de encontrar o limite é cruzando-o. Cultive uma sensibilidade para a qualidade do trabalho que você está fazendo, e então você notará se ela diminui porque você está trabalhando demais. A honestidade é fundamental aqui, em ambas as direções: você tem que perceber quando está sendo preguiçoso, mas também quando está trabalhando demais. E se você acha que há algo admirável em trabalhar demais, tire essa ideia da cabeça. Você não está apenas obtendo resultados piores, mas obtendo-os porque está se exibindo - se não para outras pessoas, então para si mesmo. [ 6 ]


Encontrar o limite de trabalhar duro é um processo constante e contínuo, não algo que você faz apenas uma vez. Tanto a dificuldade do trabalho quanto sua capacidade de realizá-lo podem variar de hora em hora, portanto, você precisa avaliar constantemente o quanto está se esforçando e o quão bem está se saindo.


No entanto, esforçar-se não significa se esforçar constantemente para trabalhar. Pode haver algumas pessoas que o façam, mas acho que minha experiência é bastante típica e só preciso me esforçar ocasionalmente quando estou iniciando um projeto ou quando encontro algum tipo de cheque. É quando corro o risco de procrastinar. Mas uma vez que começo a fazer, tendo a continuar.


O que me faz continuar depende do tipo de trabalho. Quando eu estava trabalhando na Viaweb, eu era guiado pelo medo do fracasso. Quase não procrastinei, porque sempre havia algo que precisava ser feito, e se eu pudesse colocar mais distância entre mim e a fera perseguidora fazendo isso, por que esperar? [ 7 ] Considerando que o que me motiva agora, escrevendo ensaios, são as falhas neles. Entre as redações, fico agitado por alguns dias, como um cachorro circulando enquanto decide exatamente onde se deitar. Mas uma vez que começo a fazer um, não preciso me esforçar para trabalhar, porque sempre há algum erro ou omissão que já está me pressionando.


Eu faço algum esforço para me concentrar em tópicos importantes. Muitos problemas têm um núcleo duro no centro, cercado por coisas mais fáceis nas bordas. Trabalhar duro significa apontar para o centro na medida do possível. Alguns dias você pode não conseguir; alguns dias você só poderá trabalhar nas coisas mais fáceis e periféricas. Mas você deve sempre mirar o mais próximo possível do centro, sem parar.


A maior questão sobre o que fazer com sua vida é um desses problemas com um núcleo duro. Existem problemas importantes no centro, que tendem a ser difíceis, e problemas menos importantes, mais fáceis nas bordas. Assim, além dos pequenos ajustes diários envolvidos no trabalho com um problema específico, ocasionalmente você terá que fazer grandes ajustes em escala vitalícia sobre o tipo de trabalho a ser feito. E a regra é a mesma: trabalhar duro significa apontar para o centro – para os problemas mais ambiciosos.


Por centro, porém, quero dizer o centro real, não apenas o consenso atual sobre o centro. O consenso sobre quais problemas são mais importantes é muitas vezes equivocado, tanto em geral quanto em campos específicos. Se você discordar e estiver certo, isso pode representar uma oportunidade valiosa para fazer algo novo.


Os tipos de trabalho mais ambiciosos geralmente são mais difíceis, mas, embora você não deva negar isso, também não deve tratar a dificuldade como um guia infalível para decidir o que fazer. Se você descobrir algum tipo de trabalho ambicioso que seja uma barganha no sentido de ser mais fácil para você do que para outras pessoas, seja pelas habilidades que você possui, seja por alguma nova maneira que encontrou de abordá-lo, ou simplesmente porque você está mais animado com isso, de qualquer maneira, trabalhe nisso. Alguns dos melhores trabalhos são feitos por pessoas que encontram uma maneira fácil de fazer algo difícil.


Além de aprender a forma do trabalho real, você precisa descobrir para qual tipo você é adequado. E isso não significa apenas descobrir qual tipo suas habilidades naturais combinam melhor; isso não significa que, se você tem 2,10 metros de altura, precisa jogar basquete. O que você é adequado depende não apenas de seus talentos, mas talvez ainda mais de seus interesses. Um profundo interesse em um tópico faz com que as pessoas trabalhem mais do que qualquer quantidade de disciplina.


Pode ser mais difícil descobrir seus interesses do que seus talentos. Existem menos tipos de talento do que interesse, e eles começam a ser julgados cedo na infância, enquanto o interesse por um tópico é uma coisa sutil que pode não amadurecer até os vinte anos, ou mesmo mais tarde. O tópico pode nem existir antes. Além disso, existem algumas fontes poderosas de erro que você precisa aprender a descontar. Você está realmente interessado em x, ou quer trabalhar nisso porque vai ganhar muito dinheiro, ou porque outras pessoas vão ficar impressionadas com você, ou porque seus pais querem que você faça isso? [ 8 ]


A dificuldade de descobrir no que trabalhar varia enormemente de uma pessoa para outra. Essa é uma das coisas mais importantes que aprendi sobre trabalho desde criança. Quando criança, você tem a impressão de que todo mundo tem um chamado e tudo o que eles precisam fazer é descobrir qual é. É assim que funciona nos filmes e nas biografias simplificadas fornecidas às crianças. Às vezes funciona assim na vida real. Algumas pessoas descobrem o que fazer quando crianças e simplesmente fazem, como Mozart. Mas outros, como Newton, mudam incansavelmente de um tipo de trabalho para outro. Talvez, em retrospecto, possamos identificar um como seu chamado - podemos desejar que Newton passasse mais tempo em matemática e física e menos em alquimia e teologia - mas isso é uma ilusão induzida pelo viés retrospectivo. Não havia voz chamando por ele que ele pudesse ter ouvido.


Assim, embora a vida de algumas pessoas convirja rapidamente, haverá outras cujas vidas nunca convergirão. E para essas pessoas, descobrir no que trabalhar não é tanto um prelúdio para trabalhar duro, mas uma parte contínua dele, como uma de um conjunto de equações simultâneas. Para essas pessoas, o processo que descrevi anteriormente tem um terceiro componente: além de medir o quanto você está trabalhando e como está indo, você deve pensar se deve continuar trabalhando nessa área ou mudar para outra. Se você está trabalhando duro, mas não obtendo resultados bons o suficiente, você deve mudar. Parece simples expresso dessa forma, mas na prática é muito difícil. Você não deve desistir no primeiro dia só porque trabalha duro e não chega a lugar nenhum. Você precisa se dar tempo para seguir em frente. Mas quanto tempo? E o que você deve fazer se o trabalho que estava indo bem parar de funcionar bem? Quanto tempo você se dá então? [ 9 ]


O que conta como bons resultados? Isso pode ser muito difícil de decidir. Se você está explorando uma área na qual poucos outros trabalharam, talvez nem saiba como são os bons resultados. A história está cheia de exemplos de pessoas que julgaram mal a importância daquilo em que estavam trabalhando.


O melhor teste para saber se vale a pena trabalhar em algo é se você acha interessante. Isso pode soar como uma medida perigosamente subjetiva, mas provavelmente é a mais precisa que você obterá. Você é quem está trabalhando nas coisas. Quem está em melhor posição do que você para julgar se é importante, e o que é melhor para prever sua importância do que se é interessante?


Para que este teste funcione, porém, você deve ser honesto consigo mesmo. Na verdade, isso é o que há de mais impressionante em toda a questão do trabalho duro: como em cada ponto isso depende de ser honesto consigo mesmo.


Trabalhar duro não é apenas um botão que você gira até 11. É um sistema complicado e dinâmico que precisa ser ajustado exatamente em cada ponto. Você tem que entender a forma do trabalho real, ver claramente de que tipo você é mais adequado, apontar o mais próximo possível do verdadeiro núcleo dele, julgar com precisão a cada momento do que você é capaz e como você pode está fazendo e dedique o máximo de horas que puder por dia, sem prejudicar a qualidade do resultado. Esta rede é muito complicada para enganar. Mas se você for consistentemente honesto e perspicaz, ele assumirá automaticamente uma forma ideal e você será produtivo de uma forma que poucas pessoas são.



Notas


[1] Em "The Bus Ticket Theory of Genius", eu disse que os três ingredientes em um grande trabalho eram habilidade natural, determinação e interesse. Essa é a fórmula do estágio anterior; determinação e interesse rendem prática e esforço.


[2] Refiro-me a uma resolução de dias, não de horas. Freqüentemente, você chegará a algum lugar enquanto não estiver trabalhando, no sentido de que a solução para um problema chega até você enquanto toma banho , ou mesmo durante o sono, mas apenas porque você trabalhou duro no dia anterior.


É bom sair de férias de vez em quando, mas quando saio de férias gosto de aprender coisas novas. Eu não gostaria de apenas sentar em uma praia.


[3] O que as crianças fazem na escola que mais se parece com a versão real são os esportes. Reconhecidamente porque muitos esportes se originaram como jogos praticados nas escolas. Mas nesta área, pelo menos, as crianças estão fazendo exatamente o que os adultos fazem.


No ensino médio americano médio, você tem a opção de fingir que está fazendo algo sério ou de seriamente fazer algo fictício. Indiscutivelmente, o último não é pior.


[4] Saber no que você quer trabalhar não significa que você será capaz. A maioria das pessoas passa muito tempo trabalhando em coisas que não deseja, especialmente no início. Mas se você sabe o que quer fazer, pelo menos sabe em que direção seguir sua vida.


[5] Os limites de tempo mais baixos para trabalho intenso sugerem uma solução para o problema de ter menos tempo para trabalhar depois de ter filhos: mudar para problemas mais difíceis. Na verdade, eu fiz isso, embora não deliberadamente.


[6] Algumas culturas têm uma tradição de trabalho árduo performativo. Não gosto dessa ideia porque (a) faz uma paródia de algo importante e (b) faz com que as pessoas se cansem fazendo coisas que não importam. Não sei o suficiente para dizer com certeza se é bom ou ruim, mas meu palpite é ruim.


[7] Uma das razões pelas quais as pessoas trabalham tanto em startups é que as startups podem falhar e, quando isso acontece, esse fracasso tende a ser decisivo e evidente.


[8] Tudo bem trabalhar em algo para ganhar muito dinheiro. Você precisa resolver o problema do dinheiro de alguma forma, e não há nada de errado em fazer isso de forma eficiente tentando ganhar muito de uma vez. Suponho que seria bom estar interessado em dinheiro por si só; Faça como quiser. Contanto que você esteja consciente de suas motivações. O que você deve evitar é deixar inconscientemente que a necessidade de dinheiro distorça suas ideias sobre que tipo de trabalho você acha mais interessante.


[9] Muitas pessoas enfrentam essa questão em menor escala com projetos individuais. Mas é mais fácil reconhecer e aceitar um beco sem saída em um único projeto do que abandonar completamente algum tipo de trabalho. Quanto mais determinado você estiver, mais difícil fica. Como uma vítima da gripe espanhola, você está lutando contra seu próprio sistema imunológico: em vez de desistir, você diz a si mesmo: eu deveria tentar mais. E quem pode dizer que você não está certo?



Obrigado a Trevor Blackwell, John Carmack, John Collison, Patrick Collison, Robert Morris, Geoff Ralston e Harj Taggar por ler os rascunhos deste.

Posts Relacionados

Ver tudo

Como ser um investidor anjo

Tradução feita por Silvia Takey, autorizada para português brasileiro do texto How to be an angel investor de Paul Graham, cofundador da Y Combinator - uma das mais bem sucedidas aceleradoras de empre

Os quatro quadrantes do conformismo

Tradução autorizada para português brasileiro do texto The four quadrants of conformism de Paul Graham, cofundador da Y Combinator - uma das mais bem sucedidas aceleradoras de empresas de base tecnoló

A equação do equity

Tradução autorizada para português brasileiro do texto The equity equation de Paul Graham, cofundador da Y Combinator - uma das mais bem sucedidas aceleradoras de empresas de base tecnológica no mundo

Comments


bottom of page